quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Mais um Crime, mais explicações e menos entendimento.

Jane Patricia Haddad 09/12/2010
Ao me deparar com a noticia do jovem que matou o Professor, segundo o aluno: “por ser perseguido e injustiçado”, eu me pergunto: Já ouvi isso em algum lugar? E vocês?
Não é o primeiro caso de violência, de aluno para professor, infelizmente, este terminou com a morte do professor. Quem teve a oportunidade, de assistir esta semana o programa: Profissão Repórter por Um dia, na Rede Globo, pode acompanhar junto ao repórter, o dia a dia de uma escola, no caso daquela escola exposta. Outro dia coloquei no meu Facebook: A mídia está a favor ou contra a educação? Já que a má educação é a bola da vez, parece que não anda acontecendo nada de bom, nenhum projeto interessante, enfim este seria outro desabafo.
Onde quero chegar com estas palavras? Quero simplesmente desabafar como educadora e, mãe e cidadã, provocar, aqueles que ainda estão acordados de um mundo que mais parece um pesadelo. M
Nos últimos dias, só se fala e se ouve sobre mais um crime, um jovem de classe média, 23 anos, insatisfeito com o professor, faz o que já era “esperado” elimina quem o incomoda.
Aproveito e volto ao programa do Repórter por um dia, na escola, apresentada no programa, os protagonistas são alunos de 12 a 14 anos, que se recusam a entrar em sala de aula, ficam brincando no pátio; a Diretora “tenta” impor limites, (ordenando que eles subam) alguns, argumentam a professora ainda não chegou, eles sempre chegam atrasados. Já do lado dos professores, a queixa é, os alunos não querem nada com nada, só de ouvir o barulho deles, me dá crise de nervos, e assim segue a conversa, vários, estão de licença médica, uma foi agredida, a outra ameaçada, um continua dando aulas sob efeito de remédios...
Será que a crise educacional começou agora? Quem não se lembra de casos como o daquele aluno de São Paulo, do curso de medicina (ótimo aluno academicamente), resolveu ir ao cinema e eliminar algumas pessoas. E aquela menina linda, loirinha, carinha de anjo, que resolveu juntamente com o namorado deletar os pais, que discordavam da vida que ela vinha levando. Alguns poderão estar pensando, o que isso tem a ver com a educação? Continuando, na semana retrasada, foram mostrados em todos os jornais, alguns jovens em plena Avenida Paulista, em São Paulo, resolveram agredir outros, supostamente homossexuais, ou quem sabe para quebrar o tédio, como foi o caso daquele menino bem criado que surrou a doméstica, por supor que ela era uma prostituta. Assim seguimos, nós adultos, pais e educadores, horrorizados com tais cenas, porém aliviados, por não serem nossos filhos parentes, afinal de contas, eles são diferentes.
A pergunta que dói: Será que são? Basta discordarmos deles, um não banal, já vem revolta, um pedido negado, a cara fechada, graças a Deus na maioria das vezes, podemos encaminhá-los a bons psicanalistas e eles acabam descobrindo que além do prazer existe o desprazer. Uma boa receita agora, talvez fosse: Levem seus filhos a um bom Psicanalista, o melhor, vamos refletir se não seria melhor começarmos pelos adultos.
Confesso a vocês, que neste momento, mais uma vez me abato como mãe e como educadora, me pergunto, onde estamos errando? Será que estou falhando aonde? Pois me sinto responsável por estas barbáries, sou parte dessa rede de adultos que se forma na redoma do “tudo pode”. Onde estamos nos isentando? O momento não é de continuarmos buscando culpados e respostas e sim agirmos, matricularmos os pais nas escolas, criar estratégias de Conversas (Roda de Conversas), nos implicarmos como adultos que somos para além de apenas prover.
Há uma crise instalada, que é possível ser revertida, desde que os adultos se reconheçam como tal, professores e pais precisam entender que as rebeldias e criticas dirigida a eles, não podem ser levadas como pessoais. A educação não cabe mais só na família e na escola, ela é condição se sobrevivência da humanidade. Ela pode sim, começar dentro de casa, dizer um não, adiar um “prazer”, impor uma obrigação e quem sabe até pedir que o filho lave um copo.
Um professor morreu, (este nós vimos e soubemos), um jovem acabou com sua vida e a de sua família, (também pudemos ver). Diante de mais um espetáculo, eu não poderia me isentar de lembrar a “sábia” fala do responsável pelo Instituto Metodista Isabela Hendrix: “o que aconteceu foi um caso isolado”... Fico pensando isolado para quem? Sem maiores julgamentos, será que o “isolado” não é para garantir o mercado, que é sustentado pelos alunos que lá estão? E os professores que lá trabalham, foram escutados? Este jovem foi ao ato: MATOU, ele deve ter dado sinais que talvez não fosse escutado, ou foram, porém abafados. Há tantos alunos e professores silenciosos, que deveriam ser acolhidos.
Volto afirmar, sou educadora e prezo muito minha profissão, já fui diretora de escola particular, e confesso, eu me fazia ADULTA diante de quem precisa de figura de adultos. Indisciplina, violência, e diversos fenômenos existem, e sempre vão existir nas relações humanas. A questão é como gerir os conflitos antes que eles não possam mais ser traduzidos em palavras. Não estaríamos vivendo uma crise de ausência de adultos, referencia e lei?
Voltando ao programa do Repórter por um dia fiquei ouvindo o que eu não queria escutar, a câmera do Repórter ligada: a diretora dizia para o aluno: Entre para sala de aula... O aluno respondia: cuidado com o que você vai falar estamos ao vivo!
Revisitando minha memória, acabo de me lembrar, na semana passada, no domingo, Programa Fantástico, também uma escola está em foco, uma professora e sua turma sendo acompanhadas, pela equipe do programa.
Se você tiver um tempinho, assistam, olhem como as relações professor aluno vêm sendo estabelecidas. Observem, as posturas, as “provas”, os apelidos e as tais “perseguições” sem contar o Conselho de Classe que ali foi apresentado, mais parecia uma sessão de julgamento, em que os réus eram os alunos.
Ah! Meus amigos, como diz Bernard Charlot, educador Francês, professor não é herói e nem vítima. O momento atual é um convite aos educadores: Olhem para dentro de si, lá no fundo e se perguntem: Vocês estão dispostos a serem educadores? Dariam as mesmas aulas para seus filhos que dão para seus alunos?
Quantas pessoas ainda terão que ser mortas, para que olhemos para além do que julgamos ser uma boa ou má educação.
Não me interessa, se o que ocorreu foi um caso isolado, ou não. Meu interesse é o que faremos com isso? Buscaremos novamente apenas apontar e prender o culpado? O culpado já foi pego, é um jovem de 23 anos. E agora, vamos esperar o próximo episódio?
Em minha opinião, achar culpados alivia “um pouco a dor” da família de quem perdeu o ente querido, o buraco jamais será preenchido, os filhos órfãos desse professor entenderão que o mundo é feito de que? Definitivamente, mais esta barbárie, deve desacomodar os acomodados, todos e cada um, na sua casa, na sua profissão, no seu grupo. Sentir-se responsável por si e pelo outro. Resgatar a gentileza, e principalmente voltar a indignar-se, refletir e agir. Qual é a Parte que Lhes cabe?
Jane Patricia Haddad. Educadora por opção!

4 comentários:

Laerte Asnis disse...

Se 95% dos especialistas e intelectuais da educação, colocassem seus filhos para estudarem em escola pública, então seria o início da mudança. Se 95% das escolas particulares, oferecessem pelo menos 20% de suas vagas gratuitamente para alunos de escolas públicas , então teríamos outra mudança. Mas nínguem faz nada.

BLOG DO PROFEX disse...

Bianca e Jane, a frase que ouvíamos há mais de 20 anos: "a escola é a caixa de ressonância da sociedade". continua valendo. Uma sociedade onde a violência é estampada em 3D e os professores não recebem das autoridades o verdadeiro valor, só pode resultar nisso. Sonho com o dia em que essa situação se modifique!
Belo post!

Clarice disse...

Por que não ficar na aula? Ahhhhn será que é por que é um tédio...????argh Quando a distância entre professores e alunos vai desaparecer e dar lugar a um tempo maior, mais divertido, interessante e contextualizado aos alunos??? Ninguém quer ouvir o que os alunos realmente sentem e pensam sobre a escola e a educação de modo geral porque desde os primeiros contatos com a instituição e a sala de aula foram reprimidos, chantageados e persuadidos de que para ser bom precisa ter grandes notas, mas valores de ética, convivência e honestidade e até mesmo o prazer pela descoberta e o conhecimento nunca foramn atrativos...simplesmente a sociedade está colhendo o que plantou nas cabecinhas das nossas crianças.

Anônimo disse...

Caros,
Sou jornalista e estou fazendo uma reportagem sobre escolas inspiradas no modelo da Escola da Ponte, de Portugal. Vocês conhecem alguma além da Amorim Lima, em São Paulo?
Será que podem me ajudar?
Meu email é marcelle@sp.oglobo.com.br
Obrigada,
Marcelle Ribeiro
Repórter do jornal O Globo